Antonieta de Barros
Antonieta de Barros

Professora, jornalista e escritora, natural de Florianópolis/SC. A primeira mulher Deputada Constituinte e Deputada Estadual na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, e primeira mulher negra a assumir mandato popular no Brasil, no século XX.

Informações Gerais

Filiação
Catarina de Barros e Rodolfo de Barros
Nascimento
11/07/1901
Local de nascimento
Florianópolis/SC
Falecimento
28/03/1952
Local de falecimento
Florianópolis/SC
Formação
Ensino Médio
Profissão
Professora, jornalista e escritora
Partido
Partido Liberal Catarinense (PLC) e Partido Social Democrático (PSD)

Antonieta de Barros

Nasceu em 11 de julho de 1901, em Florianópolis/SC. Filha de Catarina de Barros e de  Rodolfo de Barros. Solteira. De família muito pobre, ainda criança ficou órfã de pai e foi criada pela mãe que era lavadeira.

Alfabetizada aos 5 anos, concluiu os estudos primários (atual Ensino Fundamental) na Escola Lauro Müller e, aos 17 anos, ingressou na Escola Normal Catarinense - atual Instituto Estadual de Educação, onde realizou curso equivalente ao Ensino Médio e diplomou-se em 1921. 

Fundou o Curso Particular Antonieta de Barros, em 1922, e o dirigiu até o ano de sua morte (1952), destinado à alfabetização da  população carente. 

Desde o início conviveu com diversos desafios e preconceitos por sua cor, classe social e por ser mulher.

Seu objetivo de ser professora foi alcançado, sendo considerada uma das melhores educadoras do seu tempo, especialmente na educação de jovens catarinenses. Venceu preconceitos, mudou seu destino e tornou-se ainda escritora, jornalista e representante política reconhecida.

Destacou-se pela dedicação aos estudos; pela coragem de expressar suas ideias em uma época que as mulheres não tinham liberdade de expressão; por ter conquistado um espaço na imprensa e, por meio dele, opinar sobre as mais diversas questões; e principalmente por ter lutado pelos menos favorecidos e pela educação.

Nos anos de 1920, iniciou as atividades de jornalista e foi muito produtiva:

  • Criou e dirigiu o jornal A Semana, em Florianópolis, mantido até 1927;
  • Dirigiu o periódico Vida Ilhoa, na mesma cidade (1930);
  • Fundou e dirigiu o jornal A Semana, entre os anos de 1922 e 1927.

Suas crônicas eram veículos transmissores de suas ideias, principalmente ligadas às questões da educação, aos desmandos políticos, à condição feminina e ao preconceito racial.

Na década de 1930, trocou correspondência com a Federação Brasileira pelo Progresso Feminino (FBPF), comprovadas por cartas entre ela e Bertha Lutz, guardadas atualmente no Arquivo Nacional. Berta foi uma ativista pelo direito do voto feminino, uma das fundadoras da Liga para a Emancipação Intelectual da Mulher, em 1918, representou as brasileiras na Assembleia Geral da Liga das Mulheres Eleitoras, nos Estados Unidos, em 1922, quando foi eleita Vice-Presidente da Sociedade Pan-Americana, e fundadora da FBPF.

Antonieta escreveu vários artigos para jornais locais e o livro Farrapos de Idéias, em 1937, com o pseudônimo de “Maria da Ilha”. Fez parte do Conselho Deliberativo da Associação Catarinense de Imprensa, a partir de 1938.

Em Florianópolis, lecionou na Escola Normal Catarinense (ensinava português e literatura, a partir de 1934), no Colégio Coração de Jesus e no Colégio Dias Velho, neste último foi Diretora, de 1937 a 1945. Foi professora do atual Instituto Estadual de Educação, entre os anos de 1933 e 1951, e sua Diretora, de 1944 a 1951, nomeada por Nereu Ramos, quando se aposentou, mas continuou ensinando até o fim de sua vida.

"Educar é ensinar os outros a viver; é iluminar caminhos alheios; é amparar debilitados, transformando-os em fortes; é mostrar as veredas, apontar as escaladas, possibilitando avançar, sem muletas e sem tropeços; é transportar às almas que o Senhor nos confiar, à força insuperável da Fé." Antonieta de Barros.

Vida política

Foi a primeira Deputada Estadual negra do Brasil e a primeira Deputada mulher no Parlamento do Estado de Santa Catarina. 

Na primeira eleição (1934) em que as mulheres brasileiras puderam votar e serem votadas para o Executivo e Legislativo, Antonieta concorreu para uma das vagas de Deputada Estadual à Assembleia Legislativa catarinense e ficou suplente do Partido Liberal Catarinense (PLC). Como Leônidas Coelho de Souza não tomou posse, Antonieta foi convocada, assumiu o mandato à Legislatura (1935-1937), foi Constituinte em 1935 e Relatora dos capítulos de Educação e Cultura e Funcionalismo. Em 19 de julho de 1937 presidiu a Sessão da Assembleia Legislativa, sendo a primeira mulher a assumir no Brasil a Presidência de uma Assembleia Legislativa, conforme jornal A Noticia de 1937, ano em que iniciou o Estado Novo e os parlamentos de todo o país foram fechados até 1945.

Após a queda do Estado Novo e o início da redemocratização do país em 1945, outra vez disputou cargo de Deputada Estadual à Assembleia Legislativa catarinense, agora pelo Partido Social Democrático (PSD), recebeu 2.092  votos, obteve a segunda suplência do partido, foi convocada, assumiu a vaga em junho de 1948, durante afastamento de José Boabaid, e integrou a Legislatura (1947-1951), novamente a única mulher no Parlamento Estadual.

Depois de Antonieta, o primeiro negro a assumir o cargo de Deputado Estadual na Assembleia Legislativa catarinense foi Sandro Silva, do Partido Popular Socialista  (PPS), em 2012, como suplente convocado.

Antonieta faleceu em 28 de março de 1952, em Florianópolis/SC, e foi sepultada no Cemitério São Francisco de Assis.

Homenagens, entre tantas recebidas

  • Plenário Antonieta de Barros, Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, Florianópolis.
  • Escola Antonieta de Barros, Centro, Florianópolis.
  • Rua Professora Antonieta de Barros, Canto, Florianópolis.
  • Programa Antonieta de Barros, da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, instituído pela Lei no 13.075, de 29 de julho de 2004.
  • Prêmio Antonieta de Barros, Câmara de Vereadores de Florianópolis.
  • Recebeu da Assembleia Legislativa catarinense, in memoriam, homenagem pelas legislaturas exercidas, em 1999.
  • Túnel Antonieta de Barros, em Florianópolis/SC.
  • Antonieta, documentário da cineasta paulista Flávia Person, lançado no final de 2015, em Florianópolis.
  • Painel (32 metros de altura por 9 de largura) em sua homenagem, inaugurado em 18 de agosto de 2019, na Rua Tenente Silveira, Centro de Florianópolis, dos artistas Thiago Valdi, Tuane Ferreira e Gugie.

Imagens

Foto - Antonieta de Barros ainda jovem
Fonte: Acervo Familiar. Reprodução/Maruim.Org/PISMEL, Matheus Lobo.
 
Foto - Antonieta de Barros adulta
Fonte: Reprodução/História Licenciatura.
 
Foto - Antonieta de Barros, em 1948
Fonte: Atualidades.
 
Foto - Antonieta de Barros com a bancada de Deputados Estaduais que elegeram Nereu Ramos (ao centro) como Governador do Estado em 1935
Fonte: livro - Perfis Parlamentares: Nereu Ramos.
 
 
Retrato - Antonieta de Barros
Fonte: Centro de Memória da Assembleia Legislativa catarinense.
 
Foto - Mural em homenagem a Antonieta de Barros, no Centro de Florianópolis
Fonte: G1 SC.
Foto: Gabriel Vanini.

Mandatos

Referências

A nova directoria da Associação Catharinense de Imprensa. A Noticia. Joinville, 6 ago. 1938. n. 2953, p.5, Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rOTAzNDY=>. Acesso em: 6 fev. 2019.

Antonieta de Barros presidiu a reunião da Assemblea Estadual. A Noticia. Joinville, 20 jul. 1937. n. 2638, p.1, Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rOTAzMjM=>. Acesso em: 6 fev. 2019.

Associação Catharinense de Imprensa. A Noticia. Joinville, 24 ago. 1940. n. 3272, p.5, Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rOTAzNjk=>. Acesso em: 6 fev. 2019.

De Joelhos - Antonieta de Barros. Atualidades. Florianópolis, 1 out. 1948. n. 10, p.51, Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rOTAxNTM=>. Acesso em: 6 fev. 2019.

ALESC. Constituição Estadual de 1935. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMjkzMzc=>. Acesso em: 16 mar. 2017.

Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Diário da Assembleia: Nº 4.683. 1999. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMzY2Nzc=>. Acesso em: 1 out. 2018.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE SANTA CATARINA. Centro de Memória. Arquivos das Legislaturas: de 1835 a 2018.

BARANOV, Tamára. A conquista do voto feminino, em 1932. GGN: O Jornal de todos os Brasis. Rio Claro, SP, 26 fev. 2014. p.1, Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rOTAxMDQ=>. Acesso em: 6 fev. 2019.

CONSULTAR CEP. Professora Antonieta de Barros . Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rOTAxMjA=>. Acesso em: 6 fev. 2019.

G1/SC. Mural em homenagem a Antonieta de Barros é inaugurado no Centro de Florianópolis. 2019. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rOTIzNTU=>. Acesso em: 22 ago. 2019.

HISTÓRIA LICENCIATURA. Antonieta de Barros. 2008. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rOTAxMzM=>. Acesso em: 6 fev. 2019.

NUNES, Karla Leonora Dahse. Antonieta de Barros: Uma História. 2001. 159 f. Tese (Doutorado) - Curso de História, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTcwMjY=>. Acesso em: 15 out. 2018.

PIAZZA, Walter F. Dicionário Político Catarinense. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1994. 714 p.

PIAZZA, Walter F. O Poder Legislativo Catarinense: das suas raízes aos nossos dias 1834-1984. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1984. 800 p.

PISMEL, Matheus Lobo. Quase um século após Antonieta de Barros, Alesc teve apenas um negro e doze mulheres deputadas. Jornal Maruim. Florianópolis, 1 out. 2018. p.12, Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rOTAxODk=>. Acesso em: 6 fev. 2019.

PORTAL SÃO FRANCISCO. Redemocratização de 1945. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rOTAwODQ=>. Acesso em: 6 fev. 2019.

RODRIGUES, Natália. Estado Novo. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNjA0MzI=>. Acesso em: 21 mai. 2017.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Programa Antonieta de Barros. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rOTAxNjk=>. Acesso em: 6 fev. 2019.

STOETERAU, Lígia de Oliveira. A Trajetória do Poder Legislativo Catarinense.. Florianópolis: IOESC, 2000. 446 p.

Como citar este documento
Referência

MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA. Biografia Antonieta de Barros. 2019. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/biografia/68-Antonieta_de_Barros>. Acesso em: 17 de setembro de 2019.

Citação com autor incluído no texto

Memória Política de Santa Catarina (2019)

Citação com autor não incluído no texto

(MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA, 2019)

Memória Política de Santa Catarina