Tobias Becker
Tobias Becker

Militar, natural de Desterro/SC. Deputado Estadual no Congresso Representativo de Santa Catarina, século XIX. Fuzilado na Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim, durante a Revolução Federalista (1893-1895).

Informações Gerais

Filiação
José Becker e Maria Joaquina da Silva
Nascimento
29/04/1864
Local de nascimento
Desterro/SC
Ano falecimento
1894
Local de falecimento
Desterro/SC
Formação
Militar
Profissão
Militar
Partido
Partido Liberal e Partido Republicano Federalista (PRF)

Tobias Becker

Nasceu em 29 de abril de 1864, em Nossa Senhora do Desterro (atual Florianópolis/SC). Filho de José Becker e de Maria Joaquina da Silva. 

Ingressou no Exército em 1881, na terra natal. Concluiu estudos na Escola Militar, seguiu carreira no Exército e obteve as seguintes promoções: 2º Cadete (1889), 2º Tenente (1889), 1º Tenente (1890) e Capitão (1892).

Em 1893, licenciou-se do serviço militar para assumir vaga de Deputado Estadual no Congresso Representativo de Santa Catarina (Assembleia Legislativa) na Legislatura (1892-1893), primeiro como suplente convocado, depois como eleito pelo Partido Republicano Federalista (PRF), em eleição suplementar realizada em 09/04/1893. No período, integrou as Comissões Permanentes de:

  • Redação de Leis;
  • Justiça Civil e Criminal;
  • Instrução Pública.

Ao tempo dessa legislatura, acontecia a Revolução Federalista (conflito de caráter político, ocorrido no Rio Grande do Sul entre os anos de 1893 e 1895, que desencadeou uma revolta armada e atingiu também o Paraná e Santa Catarina), que criticava a centralização do poder na recém-proclamada República, entre outras razões.

Tobias foi declarado desertor por defender o Federalismo e se opor ao Governo de Marechal Floriano Peixoto. Desterro, nessa época, foi sede da república independente formada por um Governo Revolucionário provisório composto pelos três Estados do Sul do país e a Marinha Brasileira, que também se rebelava contra o despotismo.

O plano era prender, fuzilar ou enforcar os insurgentes, contrários ao governo federal. Assim, a perseguição e o confronto sangrento aconteceram. Tobias foi preso em São Francisco (atual São Francisco do Sul/SC) - quando se dirigia ao Rio de Janeiro, depois enviado para a Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim (ilha próxima à Capital catarinense) e fuzilado em 1894, por ordem de Moreira César - Coronel, Interventor Federal em Santa Catarina, nomeado por Floriano Peixoto. 

Centenas de pessoas (militares e civis) foram mortas na Fortaleza. Depois desse massacre, Desterro foi rebatizada com o nome de Florianópolis, em homenagem a Floriano Peixoto, e muitas ruas tiveram seus nomes mudados, por determinação de Moreira César.

Faleceu em abril de 1894, em Anhatomirim, Desterro/SC. No ano de 1934, os restos mortais dos fuzilados na Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim, foram transladados de Florianópolis para o Rio de Janeiro.

Imagem

Foto - Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim com localização onde aconteciam os enforcamentos e os fuzilamentos
Fonte: Reprodução/ BLOG Angelina Wittmann.

Mandatos

Referências

Assembléa Legislativa. O Estado: Orgam do Partido Republicano Federalista. Desterro, 10 ago. 1803. n. 206, p.2, Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rODg3NDA=>. Acesso em: 3 jun. 2019.

BLUMENAU EM CADERNOS: Nº 10. Blumenau, 1 out. 1961. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rODg3NzU=>. Acesso em: 3 jun. 2019.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE SANTA CATARINA. Centro de Memória. Arquivos das Legislaturas: de 1835 a 2018.

CABRAL, Oswaldo Rodrigues. As Defesas da Ilha de Santa Catarina no Brasil-colônia. Santa Catarina: Conselho Federal de Cultura, 1972. 137 p.

FORTALEZAS.ORG. Translado de restos mortais de 44 civis e militares executados na Fortaleza de Anhatomirim em 1894. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rODg3Njk=>. Acesso em: 3 jun. 2019.

FORUM BASE MILITAR WEB MAGAZINE. Forum Base Militar Web Magazine. Um nome escrito a sangue. 2009. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rODg3NTY=>. Acesso em: 3 jun. 2019.

MEIRINHO, Jali. A República em Santa Catarina (1889-1900) . 1979. 148 f. Tese (Doutorado) - Curso de História, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1979. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rOTE1NTU=>. Acesso em: 15 jul. 2019.

PIAZZA, Walter F. Dicionário Político Catarinense. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1994. 714 p.

PIAZZA, Walter F. O Poder Legislativo Catarinense: das suas raízes aos nossos dias 1834-1984. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1984. 800 p.

SANTANA, Miriam Ilza. Revolução Federalista. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMzY0NzU=>. Acesso em: 7 fev. 2017.

STOETERAU, Lígia de Oliveira. A Trajetória do Poder Legislativo Catarinense.. Florianópolis: IOESC, 2000. 446 p.

WITTMANN, Angelina. Foto: Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim. 2016. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMzA3MjY=>. Acesso em: 2 jun. 2018.

Como citar este documento
Referência

MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA. Biografia Tobias Becker. 2022. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/biografia/1342-Tobias_Becker>. Acesso em: 17 de maio de 2022.

Citação com autor incluído no texto

Memória Política de Santa Catarina (2022)

Citação com autor não incluído no texto

(MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA, 2022)

Memória Política de Santa Catarina