Emílio Blum
Emílio Blum

Engenheiro, comerciante e militar, natural de Bagé/RS. Prefeito de Desterro/SC, Deputado Constituinte Estadual de 1891 e 1910 e Deputado Estadual no Parlamento Catarinense, final do século XIX e início do século XX.

Informações Gerais

Nome completo
Emílio Ramos Blum
Filiação
Jacques Blum e Amélia Blum
Nascimento
10/04/1861
Local de nascimento
Bagé/RS
Falecimento
05/03/1918
Local de falecimento
Mendes/RJ
Formação
Engenharia
Profissão
Engenheiro, comerciante e militar
Partido
Partido Republicano Catarinense (PRC)

Emílio Blum

Nasceu em 10 de abril de 1861, em Bagé/RS. Filho dos franceses Jacques Blum e Amélia Blum.

Com 13 anos saiu da terra natal e foi morar na França, onde concluiu curso de  engenharia. Retornou ao Brasil em 1880 e passou a residir em Desterro/SC (atual Florianópolis).

Casou com Margarida Maria dos Santos, com quem teve nove filhos, entre eles, Heitor Blum, que foi Prefeito eleito de Florianópolis/SC (1926-1930).

Apoiou as ideias republicanas que levaram à Proclamação da República no Brasil (ocorrida em 15 de novembro de 1889), filiou-se ao Partido Republicano Catarinense (PRC), participou de suas campanhas entre 1884 e 1889, foi membro da executiva do partido e colaborou com o jornal República, sediado em Desterro, e com a Revista de Santa Catarina.

Na Capital, possuía o comércio Emilio Blum & Cia., casa importadora e exportadora, estabelecida desde a década de 1880.

Emílio foi Prefeito de Desterro (na época, denominado Presidente da Intendência/Superintendência) e exerceu a função nos seguintes períodos:

  • de 5 de novembro de 1890 a 10 de fevereiro de 1891 - nomeado;
  • de 6 a 13 de março de 1891 - interino;
  • de 14 de outubro de 1899 a 9 de janeiro de 1900 - interino; e
  • de 6 de novembro a 25 de dezembro de 1901 - era Vice-Prefeito e assumiu.

Em 1891, elegeu-se Deputado ao Congresso Representativo de Santa Catarina (Assembleia Legislativa), para elaborar a Constituinte de 1891.

No ano de 1893, acontecia um movimento de luta entre legalistas1 e federalistas2, a Revolução Federalista (1893-1895), que se expandiu do Rio Grande do Sul para Santa Catarina e Paraná. Em Desterro (Capital do Estado catarinense), ocorreu o confronto armado entre os dois grupos, a Assembleia Legislativa foi dissolvida, as forças legalistas reagiram e centenas de pessoas foram mortas (civis e militares), por ordem do governo central, comandado pelo Presidente Floriano Peixoto.

Depois desse massacre, Desterro foi rebatizada com o nome de Florianópolis, em homenagem a Floriano, e muitas ruas tiveram seus nomes mudados, por determinação de Moreira César.

No episódio, Emílio apoiou os legalistas e recebeu do Marechal Peixoto a patente de Coronel.

Elegeu-se Deputado Federal, por Santa Catarina, para a 23ª Legislatura (1894-1896), tomou posse em 23 de outubro de 1894 e exerceu o mandato.

Eleito Deputado Estadual à Assembleia Legislativa de Santa Catarina, exerceu os seguintes mandatos: Legislatura (1898-1900), tomou posse em 1900, ingressou por eleição suplementar; 7ª Legislatura (1907-1909); Legislatura (1910-1912), foi Deputado Constituinte de 1910; e Legislatura (1913-1915).

Em 1907, a empresa Emilio Blum & Cia. ampliou os negócios e fundou “uma fábrica de colarinhos, punhos, camisas, ceroulas, gravatas, roupas para homem e sacos, fábrica montada com maquinismos modernos e movida à eletricidade. A fábrica emprega cerca de 70 pessoas e os seus produtos são vendidos por todos os estados da União”. (NOVO MILENIO, 2010).

Com outros comerciantes locais, fundou a Associação Comercial de Florianópolis, em 1913, e foi seu Presidente de 1915 a 1917.

Faleceu em 5 de março de 1918, em Mendes/RJ.

Homenagens

  • Rua Emílio Blum, Centro, Florianópolis/SC.
  • Rua Emílio Blum, Guarujá, Lages/SC.
1 “Favoráveis ao presidencialismo e à liberdade de se administrar um estado segundo suas leis”. (SANTANA)

2 “Resguardava o sistema parlamentar de governo e exigia a análise das constituições estaduais com o objetivo de retificá-las, caso necessário, antevendo a possível concentração política e a fortificação do Brasil como União Federativa”. (SANTANA)

Mandatos

Referências

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE SANTA CATARINA. Centro de Memória. Arquivos das Legislaturas: de 1835 a 2018.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Centro de Documentação e Informação. Nominata de deputados brasileiros 23ª Legislatura: 1894 - 1896. [Brasília], s.d. (folhas datilografadas)..

Centro de Memória. Constituições. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMjU0MDc=>. Acesso em: 14 out. 2016.

CRUZ, Karina Martins da. A Contribuição de Alemães e Descendentes para a Formação Sócio-Espacial Catarinense: o caso da Região Metropolitana de Florianópolis (SC). 2008. 209 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Geografia, , Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMjM1Mjk=>. Acesso em: 7 fev. 2017.

MATOS, Felipe. Armazém da Província: Vida Literária e Sociabilidades Intelectuais em Florianópolis na Primeira República. 2014. 241 f. Tese (Doutorado) - Curso de História, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTYz>. Acesso em: 7 ago. 2017.

NOVO MILENIO. Impressões do Brazil no Seculo Vinte. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMzY0NjI=>. Acesso em: 7 fev. 2017.

PIAZZA, Walter F. Dicionário Político Catarinense. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1994. 714 p.

PIAZZA, Walter F. O Poder Legislativo Catarinense: das suas raízes aos nossos dias 1834-1984. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1984. 800 p.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa. Constituição de 1891. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMjMzMjc=>. Acesso em: 23 nov. 2016.

SANTANA, Miriam Ilza. Revolução Federalista. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMzY0NzU=>. Acesso em: 7 fev. 2017.

STOETERAU, Lígia de Oliveira. A Trajetória do Poder Legislativo Catarinense.. Florianópolis: IOESC, 2000. 446 p.

Como citar este documento
Referência

MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA. Biografia Emílio Blum. 2022. Disponível em: <https://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/biografia/239-Emilio_Blum>. Acesso em: 24 de junho de 2022.

Citação com autor incluído no texto

Memória Política de Santa Catarina (2022)

Citação com autor não incluído no texto

(MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA, 2022)

Memória Política de Santa Catarina