Manoel Dias
Manoel Dias

Advogado, natural de Criciúma/SC. Vereador na terra natal, Deputado Constituinte de 1967 e Deputado Estadual no Parlamento Catarinense, século XX.

Informações Gerais

Filiação
Anselmo Fortunato Dias e Cândida Borges Dias
Website
https://www.facebook.com/dias.manoel
Nascimento
13/08/1938
Local de nascimento
Criciúma/SC
Formação
Direito
Profissão
Advogado
Partido
Partido Democrático Trabalhista (PDT), Movimento Democrático Brasileiro (MDB) e Partido Trabalhista Brasileiro (PTB)

Manoel Dias

Nasceu em 13 de agosto de 1938, em Criciúma/SC. Filho de Anselmo Fortunato Dias e de Cândida Borges Dias. Casou com Dalva de Luca.

Graduou-se em Direito pela Universidade Federal do Estado de Santa Catarina, em 1970. Durante a graduação, iniciou a militância no movimento estudantil. Depois de formado, passou a advogar em Criciúma, sua cidade natal.

Elegeu-se Vereador para a Câmara Municipal de Criciúma, em 1962, pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), mas teve seu mandato cassado em 1964, com o Golpe Militar. Foi mantido como preso político por onze meses.

Em 1965 ajudou a construir o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) em Santa Catarina.

Por esse partido, concorreu à vaga de Deputado Estadual para a Assembleia Legislativa de Santa Catarina, em 1966, sendo eleito com 6.080 votos, tomou posse para a Legislatura (1967-1971) e foi Deputado Constituinte de 1967. Com o estabelecimento do Ato Institucional nº 5, de 13/12/1968, teve novamente seu mandato cassado e afastou-se da Assembleia em 1969.

Após a anistia, em 1979, voltou a Florianópolis para recompor o Partido Trabalhista Brasileiro, mas a sigla já havia sido registrada. Ao lado de figuras como Leonel Brizola, ajudou a fundar o Partido Democrático Trabalhista (PDT), em 1980.

Em 1982, disputou o cargo de Deputado Estadual ao Parlamento catarinense, pelo PDT, recebeu 1.852 votos e não se elegeu.

Nas eleições de 1986 e de 1990, novamente pleiteou vaga de Deputado na Assembleia Estadual, em ambas ficou na posição de suplente e não foi convocado.

Nos anos de 1990, participou do governo de Leonel Brizola, no Rio de Janeiro/RJ, exercendo a função de Diretor do Banco do Estado do Rio de Janeiro (BANERJ).

No pleito eleitoral de 1998, candidatou-se como Suplente de Senador, de Sérgio Grando, mas a coligação “Mais Santa Catarina” venceu as eleições.

Lançado candidato ao Executivo Estadual catarinense, concorreu mais duas vezes, porém não foi eleito: em 2006, ao cargo de Governador, e em 2010, a Vice-Governador.

Em 2013, assumiu como Ministro do Trabalho e Emprego e permaneceu no cargo até 2 de outubro de 2015. Rodrigo Minotto foi seu Chefe de Gabinete.

Candidatou-se ao cargo de Deputado Federal por Santa Catarina, pelo PDT, obteve 22.517 votos, mas não foi eleito nas eleições 2018.

Atualmente, preside a Fundação Leonel Brizola - Alberto Pasqualini e é Secretário Geral do PDT Nacional.

Em sessão especial ocorrida em 13 de agosto de 2019, a Assembleia Legislativa catarinense restituiu, de modo simbólico, o mandato do Deputado Manoel Dias e de outros que tiveram seus mandatos cassados pelo regime militar na década de 1960.

Homenagens

  • do Sindicato dos Oficiais de Justiça Avaliadores de Goiás (SINDOJUSGO), por ter conseguido a concessão do registro sindical em favor da categoria, em 2017, quando era Ministro do Trabalho.
  • da Assembleia Legislativa catarinense, pela legislatura exercida, em 1999.

Imagens 

Assinatura do Deputado Manoel Dias
Fonte: Assembleia Legislativa de Santa Catarina - 1945 a 2018.
 
Foto - Sessão especial de restituição do mandato de Deputado Estadual
Fonte: Agência AL.

Mandatos

Referências

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE SANTA CATARINA. Coordenadoria de Informações. Fichas Datilografadas/Digitalizadas das Legislaturas: de 1945 a 2018.

CORRÊA, Michelle Viviane Godinho. AI-5. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNjQ4NzQ=>. Acesso em: 18 mai. 2018.

CORRÊA, Michelle Viviane Godinho. Lei da Anistia. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNjQ4ODc=>. Acesso em: 18 mai. 2018.

PDT (Df). Manoel Dias: Não dá pra contar a história do PDT sem contar a de um dos seus mais importantes personagens. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNjQ5MDA=>. Acesso em: 18 mai. 2018.

PIAZZA, Walter F. Dicionário Político Catarinense. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1994. 714 p.

PIAZZA, Walter F. O Poder Legislativo Catarinense: das suas raízes aos nossos dias 1834-1984. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1984. 800 p.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa. Constituição Estadual de 1967. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMjkzNjM=>. Acesso em: 16 mar. 2017.

SANTIAGO, Emerson. Regime Militar. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNjA4Mjc=>. Acesso em: 10 mar. 2018.

SINDOJUSGO. SINDOJUSGO presta homenagem a Manoel Dias. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNjQ5MTM=>. Acesso em: 18 mai. 2018.

STOETERAU, Lígia de Oliveira. A Trajetória do Poder Legislativo Catarinense.. Florianópolis: IOESC, 2000. 446 p.

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL. Resenha Eleitoral - Eleições Catarinenses 1945-1998. 2001. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNjI2OQ==>. Acesso em: 30 nov. 2017.

Como citar este documento
Referência

MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA. Biografia Manoel Dias. 2022. Disponível em: <https://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/biografia/647-Manoel_Dias>. Acesso em: 06 de dezembro de 2022.

Citação com autor incluído no texto

Memória Política de Santa Catarina (2022)

Citação com autor não incluído no texto

(MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA, 2022)

Memória Política de Santa Catarina