Joe Collaço
Joe Collaço

Advogado, jornalista e teatrólogo, natural de Tubarão/SC. Deputado Estadual na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, no início do século XX. No Executivo catarinense foi Secretário do Interior e Justiça e da Fazenda e Obras Públicas.

Informações Gerais

Nome completo
Joe Luís Martins Collaço
Filiação
João Luís Collaço e Elisa Georgina Nunes Barreto Collaço
Nascimento
21/10/1889
Local de nascimento
Tubarão/SC
Falecimento
12/09/1951
Local de falecimento
Rio de Janeiro/RJ
Formação
Direito
Profissão
Advogado, jornalista e teatrólogo
Partido
Partido Republicano Catarinense (PRC)

Joe Collaço

Nasceu em 21 de outubro de 1889, em Tubarão/SC. Filho de Elisa Georgina Nunes Barreto Collaço e de João Luís Collaço. Seu pai, militar, foi Deputado Estadual na Assembleia Legislativa de Santa Catarina e Prefeito de Tubarão.

Além do pai, teve outros parentes envolvidos na política catarinense: Pedro Luís Collaço, seu tio, e Volney Collaço foram Deputados Estaduais e Luís Martins Collaço e Pedro Teixeira Collaço, foram Prefeitos de Tubarão.

Joe estudou no Colégio das Irmãs e no Ginásio Tubaronense, na terra natal. O curso preparatório fez no antigo Ginásio Catarinense, hoje denominado Colégio Catarinense, em Florianópolis/SC. Cursou Medicina, no Rio de Janeiro/RJ, mas abandonou para ingressar no jornalismo, trabalhando na Gazeta de Notícias. Formou-se Bacharel em Direito, pela Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, em 1922, pertenceu à turma chamada de “Centenário”.  

Casou com Carmem Maria Ferreira da Luz e tiveram o filho Hercílio da Luz Collaço. Sua esposa era filha de Hercílio Luz, que foi Governador de Santa Catarina por três vezes e Senador da República pelo mesmo Estado.

Foi Oficial do Gabinete do Governador Felipe Schmidt, de 1914 a 1918, Secretário do Interior e Justiça no governo de Hercílio Luz, seu sogro, de 1922 a 1923, e da Fazenda e Obras Públicas (1924).

Quando integrava o Governo de Hercílio Luz, foi enviado para intervir no conflito em Orleans, com o Capitão Ferreira, da Força Pública Estadual, conforme resumo de Zumblick (1974, p. 140):

Uma revolta armada de colonos de Orleans em 1923 contra as eleições fraudulentas que elegeram o superintendente municipal equivalente a Prefeito, atualmente Evaristo Nunes. Impostos, contribuições exageradas e as arbitrariedades que já vinham ocorrendo desde 1919, quando Galdino Guedes, eleito superintendente municipal, foi obrigado a renunciar após um ano de pressão do governador Hercílio Luz e seu genro Joe Collaço, cuja família controlava politicamente o município de Tubarão. Em 1923, colonos armados se dirigiram para a prefeitura e exigiram a renúncia do prefeito Evaristo Nunes e do delegado, sendo empossado pelos colonos como superintendente Galdino Guedes. O prefeito deposto telegrafou ao governador Hercílio Luz que, prontamente, enviou tropas para Orleans, sufocando a revolta. “Foram presos em massa mais de cem colonos, cercados num quadrado de policiais com carabinas embaladas. Um a um passaram pela palmatória”. (SILVA, 2006)

Pelo Partido Republicano Catarinense (PRC), elegeu-se Deputado Estadual à Assembleia Legislativa de Santa Catarina para três mandatos, nas seguintes Legislaturas: 10ª Legislatura (1916-1918); 11ª Legislatura (1919-1921) e 12ª Legislatura (1922-1924).

Foi colaborador dos jornais florianopolitanos: O Estado, a partir de 1915, e A Verdade, de 1921 em diante.

Com outros, fundou a Academia Catarinense de Letras, tendo sido empossado na Cadeira no 21, escreveu Teatro Pequeno, publicado em 1932, e integrou o Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina.

Depois advogou na capital federal, mudou-se para Curitiba/PR e, em seguida, para o Rio de Janeiro.

Faleceu em 12 de setembro de 1951, no Rio de Janeiro/RJ.

Homenagem: Rua Joe Collaço, Bairro Santa Mônica, em Florianópolis/SC.

Mandatos

Imagens
Referências

PINHEIRO: Joe Colaço. Atualidades: Primeiro Congresso de História Catarinense, Florianópolis, v. 1, n. 10, p.35-35, 1 out. 1948. Mensal. Edição Comemorativa. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNDE5Mzk=>. Acesso em: 18 out. 2018.

REVISTA SIGNO: "A Academia Catarinense de Letras - seus patronos - seus imortais”, Florianópolis: Flama. v. 3, 26 mai. 1970. Anual. Walter Fernando Piazza. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNDI0MjI=>. Acesso em: 20 out. 2018.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE SANTA CATARINA. Centro de Memória. Arquivos das Legislaturas: de 1835 a 2018.

COLLAÇO, Joe Luís de Martins. Normas de autoria de Joe Luís de Martins Collaço. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNDIzNTk=>. Acesso em: 20 out. 2018.

CONSULTAR CEP. Joe Collaço. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNDIzMzM=>. Acesso em: 18 out. 2018.

GRUPO DE POETAS LIVRES. Joe Luis de Martins Colaço. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNDIzNDY=>. Acesso em: 20 out. 2018.

MATOS, Felipe. Armazém da Província: Vida Literária e Sociabilidades Intelectuais em Florianópolis na Primeira República. 2014. 241 f. Tese (Doutorado) - Curso de História, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTYz>. Acesso em: 7 ago. 2017.

OLIVEIRA, João; BARRETO, Alexandre. O Dictador Catarinense. Tubarão, SC: A Imprensa, 1924. 1 p. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNDE5ODM=>. Acesso em: 18 out. 2018.

PIAZZA, Walter F. Dicionário Político Catarinense. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1994. 714 p.

PIAZZA, Walter F. O Poder Legislativo Catarinense: das suas raízes aos nossos dias 1834-1984. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1984. 800 p.

SACHET, Celestino. A Literatura Catarinense. Florianópolis: Lunardelli, 1985. 1 p. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMzk1MTk=>. Acesso em: 8 out. 2018.

SACHET, Celestino. As transformações estético-literárias dos anos 20 em Santa Catarina. Florianópolis: UDESC - Edeme, 1974. 1 p. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMzk1NDQ=>. Acesso em: 8 out. 2018.

SILVA, Elias Manoel da. A Palmatória: Orleans já teve um tempo perigoso. 2006. 261 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de História, Departamento de História, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2006. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNDIyNzg=>. Acesso em: 18 out. 2018.

STOETERAU, Lígia de Oliveira. A Trajetória do Poder Legislativo Catarinense.. Florianópolis: IOESC, 2000. 446 p.

ZANELATTO, João Henrique. De Olho no Poder: O integralismo e as disputas políticas em Santa Catarina na era Vargas. Criciúma, SC: Unesc, 2012. 356 p. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNDkxMw==>. Acesso em: 22 mai. 2018.

ZUMBLICK, Walter. Este meu Tubarão. 2. ed. Tubarão: do Autor, 1976. 1 p. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNDIzMjA=>. Acesso em: 18 out. 2018.

ZUMBLICK, Walter. Este meu Tubarão. Tubarão: do Autor, 1974. 1 p. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNDIyOTk=>. Acesso em: 19 out. 2018.

Como citar este documento
Referência

MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA. Biografia Joe Collaço . 2019. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/biografia/508-Joe_Collaco>. Acesso em: 17 de setembro de 2019.

Citação com autor incluído no texto

Memória Política de Santa Catarina (2019)

Citação com autor não incluído no texto

(MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA, 2019)

Memória Política de Santa Catarina