Severo Amorim do Vale
Severo Amorim do Vale

Advogado, Juiz de Direito e Chefe de Polícia. Deputado na Assembleia Legislativa Provincial de Santa Catarina, por sete vezes consecutivas, Presidente interino da Província catarinense e Desembargador da Relação de Pernambuco/PE, no século XIX

Informações Gerais

Filiação
Raimundo José do Vale e Ana de Amorim e Castro
Nascimento
07/12/1802
Local de nascimento
Salvador/BA
Local de falecimento
Recife/PE
Formação
Direito
Profissão
Advogado, Juiz de Direito, Chefe de Polícia
Partido
Partido Conservador

Severo Amorim do Vale

Nasceu em 7 de dezembro de 1802, na Freguesia do Santíssimo Sacramento do Pilar/BA (atual Salvador). Filho de Raimundo José do Vale e de Ana de Amorim e Castro.

Em Portugal, estudou na Universidade de Coimbra, de 19 de dezembro de 1830 a 7 de julho de 1831, quando se graduou no curso de Direito.

No Brasil, casou com Maria Jesuína, tiveram Eugênia e Ernesto.

Nomeado Juiz de Direito da Comarca do Sul da Província de Santa Catarina, por Carta Imperial de 4 de setembro de 1833, tomou posse em 8 de janeiro de 1834.

Primeiro Chefe de Polícia da Província de Santa Catarina, de 28 de junho de 1834 a 24 de janeiro de 1851.

Membro do Partido Conservador, que chefiou em 1848 e 1849. (DIAS, 2008, p. 40).

Deputado eleito para a Assembleia Legislativa Provincial de Santa Catarina, pelo Partido Conservador, participou da Legislatura (1835-1837) e integrou a primeira Mesa Diretora, como 2º Secretário (1836-1837).

Juiz de Direito em Desterro/SC (hoje Florianópolis), de 1836 a 1851.

Eleito, atuou na Legislatura (1838-1839), da Assembleia Legislativa Provincial catarinense, foi 2º Secretário da Mesa, no biênio.

Na Legislatura da época provincial (1840-1841), ficou na suplência e foi convocado, escolhido Suplente para funções de Secretário da Mesa da Assembleia Legislativa. Em 1840, seguiu à Laguna para investigar a situação na vila, após a retirada dos farroupilhas, e o envolvimento dos moradores no processo de proclamação da República Juliana. Ele conhecia a região e muitas pessoas, pois fora Juiz de Direito da Comarca do Sul, em 1834. Ao final do processo (1840), Severo pediu ao Presidente da Província a anistia aos implicados na revolta, conforme Costa (2006).

Eleito Deputado Provincial, com 47 votos, participou da Legislatura (1842-1843), exerceu novamente a função de 2º Secretário da Assembleia catarinense (1842-1843).

Para a Legislatura na Assembleia Provincial (1844-1845), foi eleito Deputado com 58 votos. Nessa Legislatura integrou a Comissão de Justiça Civil e Criminal, Guarda da Constituição e das Leis e foi Vice-Presidente da Assembleia Legislativa  (1845).

Na Legislatura (1846-1847), na mesma Assembleia, era Vice-Presidente e assumiu a Presidência da Mesa Diretora (1846), quando o Deputado Tomás Silveira de Sousa renunciou.

Outra vez eleito deputado, participou da Legislatura (1848-1849) e exerceu a Presidência da Assembleia Provincial de Santa Catarina no biênio.

Como era Vice-Presidente da Província de Santa Catarina, nomeado por Carta Imperial de 13 de agosto de 1846, assumiu duas vezes a Presidência:

a) de 26 de dezembro de 1848 a 6 de março de 1849, em substituição a Antero José Ferreira de Brito, transmitindo-a ao Presidente Antônio Pereira Pinto;

b) de 30 de novembro de 1849 a 24 de janeiro de 1850, passando-a para João José Coutinho.

Em documento, Severo conta que assumiu a administração da Província, em 1848, porque o Marechal de Campo Antero José Ferreira de Brito partiu para a Capital do Império e os dois primeiros suplentes encontravam-se ausentes. Anuncia ainda o nascimento do herdeiro do trono do Brasil: D. Pedro I, de D. João e de Dona Carlota Joaquina de Bourbon; comenta a existência de uma única escola secundária na Capital (Desterro), o Colégio dos Padres Missionários da Companhia de Jesus, e solicita da Assembleia “justa resolução” para ampliar o ensino na província. (Mensagem à Assembleia Legislativa Provincial, 01/03/1849).

Antes de deixar a Presidência, em 6 de março de 1849, enviou Relatório sobre as ações da administração e leis criadas, bem como do cumprimento das normas imperiais.

Nomeado Desembargador da Relação de Pernambuco, em 9 de janeiro de 1851, tomou posse (por procuração) em 7 de março do mesmo ano, função que exerceu de 31 de maio de 1851 até 1856, segundo o Decreto de 29 de novembro de 1856.

Advogou no Rio de Janeiro/RJ por certo tempo e faleceu em Recife/PE.

Condecoração: Cavaleiro da Ordem de Cristo, em 3 de novembro de 1845.

A filha de Severo, Eugênia Amorim do Vale, casou com João Silveira de Sousa, que ocupou várias funções públicas, foi Deputado à Assembleia Geral do Império, pela Província de Santa Catarina, por quatro vezes, Presidente de quatro províncias brasileiras e Ministro de Estado das Relações Exteriores. O pai de João, José Silveira de Sousa, foi Vereador em Desterro, Conselheiro Geral convocado e Deputado na Assembleia Legislativa Provincial de Santa Catarina. Assim, Eugênia tinha o pai, o marido e o sogro envolvidos na política do século XIX.

Ernesto Augusto Amorim do Vale (18311899), filho de Severo, cursou o secundário na Academia Militar (1848) e formou-se em Engenharia Civil, com bacharelado em Ciências Lógicas (1856). Nomeado Engenheiro da Província do Ceará, sendo Oficial de Gabinete do Presidente, Conselheiro João Silveira de Sousa, seu cunhado. Ernesto foi Deputado à Assembleia Legislativa Provincial do Rio Grande do Norte/RN (1862-1863), Engenheiro Civil e Diretor das Obras Públicas da Província (1860-1869). Nomeado Engenheiro Presidente da Primeira Seção da Estrada de Ferro D. Pedro II (1868), adjunto à Inspetoria de Obras Públicas do Rio de Janeiro (1870). Engenheiro do 4o Distrito da mesma Inspetoria.

Imagem - Assinatura de Severo Amorim do Vale

Assinatura de Severo Amorim do Valle, no Relatório manuscrito encaminhado à Assembleia SC, de 4 de abril de 1849.  Disponível em: http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u904/000020.html

Fonte: Relatório manuscrito encaminhado à Assembleia SC, 1849. 

Mandatos

Imagens
Referências

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE SANTA CATARINA. Centro de Memória. Arquivos das Legislaturas: de 1835 a 2018.

CONTEÚDO ABERTO. IN: WIKIPÉDIA: A ENCICLOPÉDIA LIVRE. "Severo Amorim do Vale". Disponível em: <https://goo.gl/1RTo6G>. Acesso em: 27 jul. 2017.

CORRÊA, Carlos Humberto Pederneiras. Os Governantes de Santa Catarina de 1739 a 1982. Florianópolis: Editora da UFSC, 1983. 356 p.

COSTA, Gustavo Marangoni. Entre Contrabando e Ambigüidades: Outros Aspectos da República Juliana Laguna/SC – 1836-1845. 2006. 167 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de História, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006. Disponível em: <https://goo.gl/F2HL9o>. Acesso em: 27 jul. 2017.

DIAS, Thiago Cancelier. Questão Religiosa Catarinense: As Disputas pelo Direito de Instruir (1843-1864). 2008. 152 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de História, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008. Disponível em: <https://goo.gl/Bufvn6>. Acesso em: 27 jul. 2017.

FUNDAÇÃO JOSÉ AUGUSTO. “Ernesto Augusto Amorim do Valle”. Disponível em: <https://goo.gl/7cEXru>. Acesso em: 27 jul. 2017.

GUIMARÃES, Janete Eloi. Praças indisciplinados e desordem popular: cotidiano do policiamento em Florianópolis nas primeiras décadas republicanas. 2011. 185 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de História, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011. Disponível em: <https://goo.gl/4j5RJT>. Acesso em: 27 jul. 2017.

NEVES, Elpídio Ribeiro. Marketing Político: Fatores de Influencia na Eleição de Deputado Estadual em Santa Catarina durante a Campanha Eleitoral de 2002. 2005. 237 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Administração, Centro Socioeconômico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005. Disponível em: <https://goo.gl/DPQGxo>. Acesso em: 27 jul. 2017.

PIAZZA, Walter F. Dicionário Político Catarinense. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1994. 714 p.

PIAZZA, Walter F. O Poder Legislativo Catarinense: das suas raízes aos nossos dias 1834-1984. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1984. 800 p.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Diário da Assembleia: nº 6.725. 2014. Disponível em: <https://goo.gl/x84mrA>. Acesso em: 27 jul. 2017.

SILVA, Sandra Oenning da. Estado Monárquico (Des)Centralizado: a dinâmica política em torno da formação dos conselhos provinciais de Santa Catarina (1824/1834). 2013. 173 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de História, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013. Disponível em: <https://goo.gl/jaaDKk>. Acesso em: 1 jun. 2017.

STOETERAU, Lígia De Oliveira. A Trajetória do Poder Legislativo Catarinense.. Florianópolis: IOESC, 2000. 446 p.

VALE, Severo Amorim do. Fala, que o exmo. 3º vice-presidente da província de Santa Catarina, o doutor Severo Amorim do Vale, dirigiu à Assembleia Legislativa Provincial no ato de abertura de sua sessão ordinária, em 1 de março de 1849. Cidade do Desterro: Typographia Provincial, 1849. 62 p. Disponível em: <https://goo.gl/FrffhC>. Acesso em: 27 jul. 2017.

VALE, Severo Amorim do. Relatório com que o Exmo. Sr. Dr. Severo Amorim do Vale, vice-presidente da província de Santa Catarina, entregou a administração da mesma ao exmo. sr. dr. João José Coutinho em 24 de janeiro de 1850. Cidade do Desterro: Typographia Provincial, 1850. 23 p. Disponível em: <https://goo.gl/2VYAbf>. Acesso em: 27 jul. 2017.

VALE, Severo Amorim do. Relatório do presidente Severo Amorim do Vale por ocasião da passagem da presidência da mesma província ao sr. Antônio Pereira Pinto em 6 de março do 1849. 1849. Disponível em: <https://goo.gl/pNALr6>. Acesso em: 27 jul. 2017.

Como citar este documento
Referência

MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA. Biografia Severo Amorim do Vale. 2018. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/biografia/864-Severo_Amorim_do_Vale>. Acesso em: 10 de dezembro de 2018.

Citação com autor incluído no texto

Memória Política de Santa Catarina (2018)

Citação com autor não incluído no texto

(MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA, 2018)

Memória Política de Santa Catarina