Carlos Gomes
Carlos Gomes

Advogado, jornalista, escritor e professor, natural de Joinville/SC. Vereador e Prefeito substituto na terra natal, Deputado Constituinte de 1928, Deputado Estadual no Parlamento Catarinense, Deputado Federal e Senador representando os catarinenses no século XX. Ocupou cargos em instituições públicas estaduais e federais.

Informações Gerais

Nome completo
Carlos Gomes de Oliveira
Filiação
Francisco Gomes de Oliveira e Isabel Vieira Gomes
Nascimento
12/10/1894
Local de nascimento
Joinville/SC
Falecimento
15/08/1997
Local de falecimento
Joinville/SC
Formação
Direito
Profissão
Advogado
Partido
Partido Liberal Catarinense (PLC) e Partido Trabalhista Brasileiro (PTB)

Carlos Gomes

Nasceu em 12 de outubro de 1894, em Joinville/SC. Filho de Francisco Gomes de Oliveira e de Isabel Vieira Gomes. Seu pai era coronel, foi Conselheiro Municipal de Joinville (atual cargo de Vereador) e Presidente do Conselho.

Carlos iniciou seus estudos no Grupo Escolar Conselheiro Mafra, na terra natal, depois frequentou a Deutsche Schule e concluiu a formação intermediária em 1910, no Ginásio Catarinense, em Florianópolis/SC. Bacharelou-se em Direito pela Faculdade de Direito de São Paulo, em 1918.

Casou com Sara Maria Gomes de Oliveira e tiveram três filhos, entre eles, Edmundo Gomes de Oliveira. A esposa era filha de Procópio Gomes de Oliveira, que foi Prefeito em Joinville/SC e Deputado Estadual na Assembleia Legislativa catarinense.

Em Joinville exerceu a advocacia (1919-1933) e o jornalismo. Dirigiu o Jornal de Joinville e, em 1920, fundou o Correio de Joinville, em sociedade com Plácido Gomes de Oliveira, seu primo e cunhado, que mais tarde também foi Deputado no Parlamento catarinense. 

Foi preso com Plácido Gomes de Oliveira, em 31 de julho de 1922, por exaltarem em nota os feitos dos 18 do Forte de Copacabana (1922) em jornal da cidade. Plácido e Carlos foram encaminhados a Curitiba e levados para o Rio de Janeiro. Quando voltaram a Joinville, quase um mês depois, foram recebidos como heróis em expressiva manifestação de populares. 

Em 1923, trabalhou na Empresa de Luz e Força, de São Francisco do Sul/SC e integrou o Conselho da Empresa Joinville de Eletricidade.

A partir de 1926, foi nomeado Chefe Escolar da região, por Adolfo Konder, Governador do Estado, e buscou recursos para dar melhores condições de estudo aos alunos.

Foi Prefeito Municipal substituto de Joinville, nos meses de setembro e outubro de 1927. No exercício do cargo, assinou medida que reconheceu a Associação Comercial e Industrial de Joinville como entidade de utilidade pública.

Pelo Partido Liberal Catarinense (PLC), elegeu-se Deputado Estadual ao Congresso Representativo de Santa Catarina (Assembleia Legislativa), com 19.925 votos, para a 14ª Legislatura (1928-1930), e foi Deputado Constituinte de 1928. Participou de Comissões importantes, incluindo a que elaborou o Código do Processo do Estado de Santa Catarina.

Em 1929, em Joinville, apoiou a Aliança Liberal, fundou e liderou o movimento chamado “Dissidência Municipal”.

Em maio de 1930, reelegeu-se Deputado Estadual, porém, com a dissolução dos Legislativos no Brasil, os trabalhos parlamentares não foram iniciados.

Em Joinville, foi Inspetor de Ensino Escolar Municipal, sem remuneração (1931), e membro nomeado do Conselho Consultivo de Joinville (1931-1932), atual cargo de Vereador.

No ano de 1932, assumiu como Sub-Chefe de Polícia do Estado.

Pelo PLC, elegeu-se duas vezes Deputado Federal por Santa Catarina e exerceu mandato na 36ª Legislatura (1933-1935) e na 37ª Legislatura (1935-1937). Neste último período, foi Deputado Constituinte de 1935 e conseguiu incluir na Constituição Federal a obrigatoriedade de ministrar o ensino primário em língua portuguesa. 

Com outro fechamento do Congresso e dos Legislativos brasileiros, em 10 de novembro de 1937, assumiu como Chefe do Departamento das Municipalidades de Santa Catarina até 1938, nomeado pelo Governador Nereu Ramos.

Lecionou no Colégio Coração de Jesus, em 1938, e na Faculdade de Direito de Santa Catarina, ministrou Direito do Trabalho e Processo Civil, ambos em Florianópolis.

Dirigiu o Instituto Nacional do Mate (1938-1945), convidado pelo Presidente Getúlio Vargas, foi Secretário Estadual de Interior, Justiça e Educação em Santa Catarina (24/12/1945 a 16/07/1946), e Diretor da Consultoria Jurídica do Estado (1945).

Pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), foi eleito Senador por Santa Catarina para duas legislaturas consecutivas:

  • 39ª Legislatura (1951-1955), eleito com 144.533 votos, tomou posse em março de 1951. Foi líder de seu partido durante quase todo o período, 1º Secretário da Mesa Diretora (1955) e Presidente da Comissão de Trabalho e Previdência Social;
  • 40ª Legislatura (1955-1959), neste mandato, como Presidente do Senado, conduziu a cerimônia de posse do Presidente Juscelino Kubitschek e de seu Vice, João Goulart, em 31 de janeiro de 1955. 

Como parlamentar federal, participou de delegação brasileira na Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e pronunciou mais de 400 discursos no Senado, sobre temáticas variadas, entre elas, ensino, trabalhismo e relações trabalhistas.

Em 1958, tentou a reeleição de Senador, recebeu 55.556 votos, mas não foi eleito, e, em 1960, concorreu a Vice-Governador de Santa Catarina, com 215.598 votos, foi vencido por Armindo Marcílio Doutel de Andrade, sendo Celso Ramos eleito Governador.

Produziu várias obras, integrou a Academia Catarinense de Letras, ocupou a Cadeira número 8, a partir de 1970, e foi sócio emérito do Instituto Histórico Geográfico de Santa Catarina desde 1929.

Faleceu em 15 de agosto de 1997, em Joinville/SC.

Obras - algumas das publicadas

  • Sociedades Irregulares e Nacionalização e Ensino (1924).
  • Integração Estudos Sociais e Históricos de Joinville (1985).

Homenagens e honrarias

  • Colégio Agrícola Senador Carlos Gomes de Oliveira, em Araquari/SC.
  • Escola Municipal Senador Carlos Gomes de Oliveira, de Joinville.
  • Doutor Honoris Causa, pela UFSC, em 1994.
  • Cidadão Benemérito de Joinville.
  • Carlos Gomes de Oliveira: dossiê dos 100 anos (livro), de Apolinário Ternes.
  • Rua Senador Carlos Gomes de Oliveira, Distrito Industrial, São José/SC.
  • Rua Carlos Gomes, nos municípios catarinenses de: Blumenau, Chapecó, Concórdia, Criciúma, Florianópolis, Lages e Tubarão.

Imagens

Fotos - Recepção de Carlos e Plácido Gomes de Oliveira, em agosto de 1922
Fonte: Reprodução/Acervo: Fátima Hofmann.

Mandatos

Referências

CARLOS Gomes de Oliveira. Atualidades: Primeiro Congresso de História Catarinense, Florianópolis, v. 1, n. 10, p.44-44, 1 out. 1948. Mensal. Edição Comemorativa. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTYzODQ=>. Acesso em: 24 jul. 2017.

ACHE CEP. Senador Carlos Gomes de Oliveira. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTYzOTc=>. Acesso em: 24 jul. 2017.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE SANTA CATARINA. Centro de Memória. Arquivos das Legislaturas: de 1835 a 2018.

BRASIL. Senado Federal. Atividade Legislativa: Pronunciamentos de Gomes de Oliveira em 1959. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTY0MzY=>. Acesso em: 24 jul. 2017.

BRASIL. Senado Federal. Atividade Legislativa: Proposições. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTY0NDk=>. Acesso em: 24 jul. 2017.

BRASIL. Senado Federal. Senadores: Gomes de Oliveira. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTY0MjM=>. Acesso em: 24 jul. 2017.

CABRAL, Oswaldo R.. Breve Notícia sobre o Poder Legislativo de Santa Catarina. Florianópolis: Editora da UFSC, 1974.

DIAS, Maria Cristina. O apoio a Carlos Gomes de Oliveira, em 1922. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTU4NTA=>. Acesso em: 24 jul. 2017.

ESCOL.AS. Escola Municipal Senador Carlos Gomes de Oliveira. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTY0MTA=>. Acesso em: 24 jul. 2017.

OLIVEIRA, Carlos Gomes de. Atuação parlamentar: discursos pronunciados no ano de 1952 até o ano de 1959 nas sessões do Congresso Nacional. Brasília: Senado Federal, 1992. 1 p.

OLIVEIRA, Carlos Gomes de. Integração estudos sociais e históricos de Joinville. Florianópolis: Gráfica Canarinho, 1984. 1 p.

OLIVEIRA, Carlos Gomes de. Nacionalização e Ensino. Rio de Janeiro: Editora José Olimpio, 1939. 1 p.

OLIVEIRA, Carlos Gomes de. Sociedades Irregulares . São Paulo: Livraria Acadêmica Saraiva & Cia, 1924. 1 p.

PIAZZA, Walter F. Dicionário Político Catarinense. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1994. 714 p.

PIAZZA, Walter F. O Poder Legislativo Catarinense: das suas raízes aos nossos dias 1834-1984. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1984. 800 p.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Diário da Assembleia: N° 4.752. 2000. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTY1NDM=>. Acesso em: 24 jul. 2017.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Diário da Assembleia: N° 5.064. 2003. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTY1MzA=>. Acesso em: 24 jul. 2017.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Diário da Assembleia: Nº 4.552. 1998. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTY1NTY=>. Acesso em: 24 jul. 2017.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Diário da Assembleia: Nº 4.829. 2001. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rMzYwOTg=>. Acesso em: 12 jul. 2017.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Diário da Assembleia: Nº 4.999. 2002. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNDI5ODQ=>. Acesso em: 18 out. 2018.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Diário da Assembleia: Nº 5.251. 2004. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTY1MTc=>. Acesso em: 24 jul. 2017.

SANTA CATARINA. Assembleia Legislativa de Santa Catarina. Diário da Assembleia: Nº 6.638. 2013. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNTY0NjI=>. Acesso em: 24 jul. 2017.

STOETERAU, Lígia de Oliveira. A Trajetória do Poder Legislativo Catarinense.. Florianópolis: IOESC, 2000. 446 p.

TERNES, Apolinário. Carlos Gomes de Oliveira: dossiê dos 100 anos. Florianópolis: Editora da Ufsc; Joinville: A Notícia, 1994. 1 p.

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL. Resenha Eleitoral - Eleições Catarinenses 1945-1998. 2001. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/rNjI2OQ==>. Acesso em: 30 nov. 2017.

Como citar este documento
Referência

MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA. Biografia Carlos Gomes. 2022. Disponível em: <https://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/biografia/168-Carlos_Gomes>. Acesso em: 06 de dezembro de 2022.

Citação com autor incluído no texto

Memória Política de Santa Catarina (2022)

Citação com autor não incluído no texto

(MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA, 2022)

Memória Política de Santa Catarina