João Pinto da Luz
João Pinto da Luz

Comerciante, natural de Desterro/SC. Deputado na Assembleia Legislativa Provincial de Santa Catarina, por quatro vezes, no século XIX. Pai de Elesbão Pinto da Luz, fuzilado na Ilha de Anhatomirim durante a Revolução Federalista de 1893-1894.

Informações Gerais

Filiação
José Antônio da Luz e Maria Joaquina da Luz
Nascimento
29/07/1818
Local de nascimento
Desterro/SC
Falecimento
05/09/1866
Local de falecimento
Palhoça/SC
Profissão
Comerciante
Partido
Partido Conservador

João Pinto da Luz

Nasceu em 29 de julho de 1818, na Freguesia de Nossa Senhora das Necessidades em Santo Antônio, em Desterro/SC, a freguesia é hoje Santo Antônio de Lisboa, pertencente a Florianópolis. Era neto de Manuel Rodrigues da Luz e de Maria Vicência, açorianos que vieram para o Brasil em 1749, ele natural da Ilha do Pico e ela, da Ilha Terceira.

João era comerciante, especialmente de alcatrão, e sócio do seu irmão, José Maria da Luz, que foi Deputado na Assembleia Legislativa Provincial de Santa Catarina, por oito vezes, entre os anos de 1848 e 1873. Além do irmão teve outros parentes em funções políticas: Elesbão Pinto da Luz (seu filho); Abelardo Luz; Hercílio Luz (seu sobrinho), Edmundo da Luz Pinto, Marechal Francisco Carlos da Luz (seu sobrinho), entre outros.

João casou duas vezes, a primeira, com Maria Amália de Matos Brocardo1 e tiveram 12 filhos, entre eles, Maria Amália da Luz, Raquel Aurélia da Luz (casou com Eliseu Guilherme da Silva), Elesbão Pinto da Luz (Deputado no Congresso Representativo de Santa Catarina, em 1892 e 1893), e José Pinto da Luz2. A segunda união foi com Francisca Carolina de Siqueira, filha de Francisca Carolina e de Félix Lourenço de Siqueira.  

João Pinto e os irmãos, José Maria da Luz e Jacinto José, apoiaram a construção do Mercado Público de Desterro no local onde se encontra hoje, na atual Florianópolis. Tal proposta recebeu críticas3 porque as feiras e o comércio de produtos eram feitos nas imediações da Praça XV de Novembro e, em função da chegada do Imperador, resolveram afastar o polo para mais longe do Palácio do Governo, que ficava e fica na mesma praça:

A primeira medida tomada pelas autoridades do Desterro quando o imperador D. Pedro 2º anunciou sua visita à cidade, em 1845, foi mandar para o outro lado do rio da Bulha (o canal da atual avenida Hercílio Luz) as barraquinhas que comercializavam pescados e alimentos na praça central, vizinha do palácio do governo. Até então, na área próxima à Catedral se aglomeravam mascates, oleiros, pescadores e colonos que vendiam, em condições precárias, sua produção aos moradores da ainda incipiente vila à beira-mar. (SCHMITZ, 2015, NDonline)

Seu filho, Elesbão, diferente de familiares que eram do Partido Conservador, filiado ao Partido Liberal, tornou-se um dos líderes da Revolução Federalista de 18934 em Santa Catarina, após perseguição e confronto sangrento, centenas de pessoas foram presas e mortas, entre elas, Elesbão Pinto da Luz, que foi fuzilado na Fortaleza de Anhatomirim, em 1894, e a cidade de Desterro foi rebatizada com o nome de Florianópolis, em homenagem ao militar autoritário Floriano Peixoto, Presidente do Brasil que substituiu o Marechal Deodoro da Fonseca, após renúncia forçada.

João Pinto, pelo Partido Conservador, candidatou-se e foi Deputado na Assembleia Legislativa Provincial de Santa Catarina por quatro vezes: Legislatura (1850-1851); Legislatura (1852-1853); na 15ª Legislatura (1864-1865); e 16ª Legislatura (1866-1867), suplente convocado.

Faleceu na casa do irmão, José Maria da Luz, em 5 de setembro de 1866, em Palhoça/SC.   

Homenagens:

 - Rua: João Pinto, Centro, Florianópolis/SC. (onde possuía uma casa de ferragens embaixo do seu sobrado quando comerciava);
-   Rua: João Pinto da Luz, Guarujá, Lages/SC. 
 
Condecorações:
- Cavaleiro da Imperial Ordem de Cristo, em 3 de novembro de 1845; e
- Oficial da Imperial Ordem da Rosa, em 2 de dezembro de 1854.
 
Imagem - Rua João Pinto – Prédios do início do Século XX – 1903

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Banco de imagens da Casa da Memória de Florianópolis/SC.

1 Filha de Estevão Brocardo de Matos e de Felizarda Amália da Costa Matos. Estevão integrou o Conselho Geral da Província e foi Deputado na Assembleia Legislativa Provincial de Santa Catarina (1835-1841).

2 Casado com Leopoldina Carolina Siqueira, filha de Francisca Carolina Siqueira e de Félix Lourenço Siqueira. A esposa era irmã de sua madrasta. Natural de Desterro/SC (8/09/1843-27/11/1903). Oficial da Marinha, combateu na Guerra do Paraguai, em 1864 - quando era 1º Tenente. Condecorado Cavalheiro da Ordem de Cristo, pela atuação na Guerra. Comandou a Escola de Aprendizes Marinheiros de SC, nomeado em 1872. Tornou-se Almirante. Membro efetivo do Conselho Naval e do Comissariado d'Armada. Ministro da Marinha no governo do Presidente da República Campos Salles. Sócio correspondente do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina.

3 Francisco Duarte Silva, advogava a construção no mesmo espaço onde estavam instaladas as barraquinhas.

4 “Um conflito de caráter político, ocorrido no Rio Grande do Sul entre os anos de 1893 e 1895, que desencadeou uma revolta armada. A revolta atingiu também o Paraná e Santa Catarina”. (HISTÓRIA DO BRASIL.NET).

Mandatos

Referências

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE SANTA CATARINA. Centro de Memória. Arquivos das Legislaturas: de 1835 a 2018.

CONTEÚDO ABERTO. IN: WIKIPÉDIA: A ENCICLOPÉDIA LIVRE. “João Pinto da Luz”. Disponível em: <https://goo.gl/zpJzBG>. Acesso em: 2 jun. 2018.

GENEALL. família Luz. Disponível em: <https://goo.gl/YxU3rr>. Acesso em: 2 jun. 2018.

HISTÓRIA DO BRASIL.NET. Revolução Federalista: resumo, causas, o que foi, conclusão. Disponível em: <https://goo.gl/C6M9GP>. Acesso em: 2 jun. 2018.

PIAZZA, Walter F. Dicionário Político Catarinense. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1994. 714 p.

PIAZZA, Walter F. O Poder Legislativo Catarinense: das suas raízes aos nossos dias 1834-1984. Florianópolis: Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina, 1984. 800 p.

REVITALIZAÇÃO DA RUA JOÃO PINTO. O Projeto. Disponível em: <https://goo.gl/XoPkPG>. Acesso em: 2 jun. 2018.

STOETERAU, Lígia De Oliveira. A Trajetória do Poder Legislativo Catarinense.. Florianópolis: IOESC, 2000. 446 p.

TONERA, Roberto. A Tragédia de Desterro. Disponível em: <https://goo.gl/PZGWrR>. Acesso em: 2 jun. 2018.

Como citar este documento
Referência

MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA. Biografia João Pinto da Luz. 2018. Disponível em: <http://memoriapolitica.alesc.sc.gov.br/biografia/478-Joao_Pinto_da_Luz>. Acesso em: 12 de dezembro de 2018.

Citação com autor incluído no texto

Memória Política de Santa Catarina (2018)

Citação com autor não incluído no texto

(MEMÓRIA POLÍTICA DE SANTA CATARINA, 2018)

Memória Política de Santa Catarina